google-site-verification=TIlu7FS_zlCJGnuAAh7iaIgmPBOWlfbGblM-WVr0les
Portes grátis em todas as compras para Portugal Continental. Devido ao COVID-19 as encomendas poderão demorar até uma semana a serem processadas. Agradecemos a compreensão.

A Raposa Matreira

  • Jenny Offill - Departamento de Especulações - Novo
  • Jenny Offill - Departamento de Especulações - Novo
  • Jenny Offill - Departamento de Especulações - Novo
  • Jenny Offill - Departamento de Especulações - Novo
  • Jenny Offill - Departamento de Especulações - Novo
  • Jenny Offill - Departamento de Especulações - Novo

Jenny Offill - Departamento de Especulações - Novo

17,00 €  

Departamento de Especulações fala-nos de um casamento, sendo uma sedutora contemplação dos mistérios da intimidade, confiança, fé, conhecimento, e da condição universal de fracasso que nos une.
A heroína de Jenny Offill, “a esposa”, trocou cartas de amor com o marido carimbadas como “Departamento de Especulações” — nome de código para todas as incertezas inerentes à vida e para os contornos estra- nhamente definidos de uma relação prolongada. À medida que enfrenta algumas catástrofes vulgares — um bebé com cólicas, um casamento hesitante e ambições estagnadas —, a “esposa” analisa a sua difícil situação, invocando tudo, desde Keats e Kafka, passando pelas duras experiências dos estoicos, e terminando em lições de cosmonautas russos.
A autora reflete sobre a experiência do amor maternal e sobre a quase completa destruição do “eu” que dele surge, confrontando a fricção da vida doméstica com as seduções e exigências da arte.

«Um romance maravilhosamente complicado de definir, porque aponta simultaneamente para várias direções, brilhando com diferentes tons de emoção. Se é uma descrição angustiante de um casamento em perigo, é também um poema em louvor do matrimónio.»
[James Wood, The New Yorker]

«Departamento de Especulações, de Jenny Offill, não se assemelha a nenhum outro livro que tenha lido. Se vos disser que é divertido, tocante e verdadeiro; que é tão compacto e misterioso como um neutrão, que nos conta uma profunda história sobre amor e paternidade, e que para isso invoca (entre outros) Keats, Kafka, Einstein, cosmonautas russos e conse- lhos para as domésticas de 1896, serão capazes de acreditar em mim, e lê-lo?»
[Michael Cunningham]

×